FAMA MAGAZINE

Conheça a história de amor entre a Itália e a Pizza

Quando saboreamos uma deliciosa pizza, o que vem em primeiro lugar em nossas mentes? É claro que a Itália. Com pizzarias ostentando as cores da bandeira italiana, e sabores também baseados no idioma do país, a relação de amor entre os italianos e a pizza é de longa data.

Inclusive, Nápoles, onde funciona nosso escritório, é considerada o berço da pizza. Apesar de não ser uma comida criada na Itália, sua história é muito interessante. Venha conhecê-la conosco.

Do Egito e da Grécia para a Itália

Alguns historiadores acreditam que foram os egípcios, nos tempos mais remotos, que foram os primeiros a misturar farinha com água, criando uma massa semelhante a pizza que conhecemos. Outros, por sua vez, dá este crédito aos gregos, que faziam massas com base de farinha de trigo, arroz e grão de bico, assando-as em tijolos quentes.

Outros povos antigos, como os babilônios, e os hebreus, também misturavam trigo e amigo na água para assar em fornos. Inclusive, os hebreus aprenderam com os egípcios durante o tempo em que foram escravos, nos tempos bíblicos de Moisés. Esta massa era chamada de “pão de Abraão” e era parecia com os pães árabes, que recebia o nome de piscea.

Os fenícios, três séculos antes de Cristo, somavam a estas massas coberturas de carne e cebola. Já os turcomuçulmanos também adotaram esta prática durante a Idade Média e, durante a época das cruzadas, esta prática chegou até a Itália pelo porto de Nápoles, recebendo incrementos e ficando cada vez mais próxima da pizza que comemos hoje.

Da Itália para o resto do mundo

A pizza, nos seus “primeiros dias” eram feitos com ervas regionais de cada local e azeite de oliva, além dos ingredientes da massa. Com a chegada da massa na Itália, os cozinheiros locais acrescentaram uma novidade: o tomate, novidade recém-descoberta na América, trazida pelos espanhóis.

Mas, a pizza não era ainda como a conhecemos, ou seja, redonda. Ela era dobrada ao meio, como um sanduíche. Era um alimento consumido por pessoas humildes no sul da Itália, com o termo picea, com o formato o qual conhecemos atualmente, nascendo na cidade de Nápoles. Daí a razão da cidade ser considerada “o berço da pizza”.

Picea era um disco de massa assada com ingredientes em cima. Era servida com ingredientes baratos, vendidos por ambulantes, e servia, na ocasião “apenas para matar a fome”, sem nenhum compromisso com sabores e varieadades. Como cobertura, normalmente a picea era acompanhada por toucinho, peixes fritos, e/ou queijo.

Mas a receita agradou tanto, que a fama da comida foi ganhando espaço, surgindo, assim, a Port’Alba, a primeira pizzaria que se tem notícia. Este local era frequentado por artistas famosos da época, o que iniciou uma nova forma de se enxergar e explorar o novo alimento.

Da Itália para o Brasil

Durante a imigração italiana, o que hoje dá a oportunidade de descendentes obterem o direito à Cidadania Italiana, a pizza veio junto com outros costumes dos italianos que no país se instalaram. As primeiras pizzas começaram a ser vendidas em 1910, na Cantina Santa Genoveva.

Primeiramente, foi comercializada por Carmino Corvino, o dom Carmenielo, napolitano, que instalou sua cantina, hoje extinta, no bairro paulistano do Brás, na Avenida Rangel Pestana, de acordo com o livro Retratos da Velha São Paulo.

Até os anos 1950, eram facilmente encontrados em meio à colônias italianas nas cidades brasileiras, tendo assim, a conhecida associação. Mas não demorou muito para o brasileiro começar a amar a pizza, e por causa disso, transformar o alimento em um elemento de sua cultura também. Tanto que, desde 1985, o dia 10 de julho é, no Brasil, o “dia da pizza”.

Inclusive, o brasileiro é conhecido por inventar novos sabores até hoje. Assim, apesar de oferecerem no início (e até hoje) pizzas tradicionais como mussarela e anchova, a presença de mais hortaliças e embutidos em nosso país gerou muita criatividade por parte dos cozinheiros brasileiros, que até hoje, surpreendem com pizzas de novos e variados sabores.

Simara Fabotti

Consulente para Reconhecimento de Cidadania Italiana (luri Sanguinis) Itália. Diretora e Administradora de Diritto di Cittadinanza S.R.L. Consulente para Reconhecimento de Cidadania Italiana (luri Sanguinis) Itália. Diretora e Administradora de Diritto di Cittadinanza S.R.L. 

%d blogueiros gostam disto: