Barack Obama será novo embaixador americano no Reino Unido, diz mídia britânica

Embora os resultados oficiais da eleição presidencial dos EUA deste ano ainda não tenham sido divulgados, o presidente eleito, Joe Biden, já lançou um plano de transição para enfrentar os principais desafios norte-americanos e reverter várias políticas do governo Trump.

O presidente democrata eleito pode nomear o ex-presidente Barack Obama para o cargo de embaixador americano no Reino Unido, escreveu o “The Sunday Times”, citando uma fonte anônima, de acordo com o jornal britânico “Express”.

A mídia britânica informou que a possível nomeação de Obama como embaixador no Reino Unido pode ser, em certa medida, desagradável para o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, considerando suas declarações hostis feitas sobre o ex-presidente dos EUA.

Em 2016, por exemplo, Johnson, enquanto prefeito de Londres, escreveu um artigo para o “The Sun”, no qual comentava a decisão de remover um busto do icônico primeiro-ministro britânico Winston Churchill do Salão Oval, logo após Obama se tornar presidente.
Na verdade, o busto foi disponibilizado no Salão Oval enquanto durou a presidência de George W. Bush.

Tommy Vietor, um ex-porta-voz do presidente Obama, por sua vez, publicou na semana passada no Twitter que eles “nunca esquecerão” os comentários racistas de Johnson “sobre Obama e a devoção servil [de Johnson] a Trump”.

“Esta metamorfose perversa pesa. Nunca esqueceremos os seus comentários racistas sobre Obama e sua devoção servil a Trump, mas com gráficos legais do Instagram.”

Os comentários foram feitos alguns dias depois de Johnson parabenizar Biden por sua projeção de vitória nas eleições presidenciais de 3 de novembro nos Estados Unidos, no sábado (7), em um tweet que também apontou Washington como o “aliado mais importante” de Londres.

Porém, apesar de Biden ter sido declarado como presidente eleito, após ter sido projetado pela maioria dos veículos de imprensa dos EUA para ganhar a votação, o presidente em exercício, Donald Trump, se recusa a ceder. O último insiste que a corrida eleitoral está “longe do fim”, e promete abrir mais processos contra o que ele descreveu como votos “fraudulentos” lançados em uma série de estados de batalha durante a eleição.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: